20/11/2014 às 18h36min - Atualizada em 20/11/2014 às 18h36min

Protesto contra integração

Aqui Noticias

No fim da tarde de ontem os moradores do bairro Gilson Carone, em Cachoeiro, realizam um protesto na Avenida Dalva Melo Santana, uma das principais via do bairro. A manifestação foi contra a integralização dos ônibus que, segundo os moradores, está prejudicando quem mora no bairro. Durante a manifestação a população ateou fogo na sucata de um carro, em caixas de madeiras e pneus, fechando duas ruas da avenida. A Polícia Militar precisou intervir para evitar danos maiores.

 

Katiuscia da Silva, 27 anos, conta que para ir ao Hospital Evangélico, tem que esperar horas no ponto do bairro e quando chega ao centro, ela precisa desembarcar pegar outro ônibus e pagar mais uma passagem, ou seguir a pé até o hospital. “Na hora de voltar o transtorno é pior, pois retiraram muitas linhas para o bairro e quando passa, o ônibus está lotado”, explicou.

 

Lúcia Guimarães, 58 anos, reclama que durante a manhã, ao sair para o trabalho, a condução sai com a lotação de três ônibus em apenas um e o tempo de fazer a integralização não está funcionando. “Estou pagando duas passagens para ir ao trabalho e isso não é justo”, reclamou.

Reclamação dos moradores é geral

Ana Paula Tavares, 43 anos, moradora do bairro há 14 anos e mãe de cinco filhos, reclama a falta de ônibus para levar os filhos na escola. “Demoro no ponto esperando ônibus, as crianças estão chegando sempre atrasadas na escola e quando saem da aula, demoram quase duas horas para chegar em casa por falta de transporte. Isso é um descaso conosco”.

 

A mesma reclamação é a de Ariane Lima, 30 anos que também está tendo dificuldades de levas à filha no colégio, principalmente depois da retirada do ônibus que seguia do seu bairro e passava pelo colégio onde sua filha estuda. “Eu antes pegava o ônibus que passava pelo BNH em direção ao Penha, agora, tenho que ir ao centro, desembarcar e pagar outra passagem para levar minha filha na escola”, declarou.

 

Dona Adelina Vailante, de 55 anos, moradora do bairro a mais de 26 anos, está indignada com a dificuldade que agora tem para ir aos hospitais realizar suas consultas. “Alem de ficar esperando horas por um ônibus, eu estou tendo que pagar duas passagens ou seguir sozinha e a pé pela cidade até chegar no hospital. Sou uma senhora, estou correndo riscos por falta de transporte público que eu ajudo a pagar na minha própria cidade”, finalizou.


Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
WhatsApp
Atendimento
Fale conosco pelo Whatsapp