28/08/2020 às 08h05min - Atualizada em 28/08/2020 às 08h05min

Defesa de Witzel diz que recebe afastamento 'com surpresa', que decisão é 'monocrática' e que tomará 'medidas cabíveis'

Superior Tribunal de Justiça afastou governador, inicialmente por 6 meses, por irregularidades na saúde. Governador, primeira-dama e mais 7 foram denunciados.

G1

A defesa do governador Wilson Witzel (PSC-RJ) disse, por meio de nota, que o afastamento do cargo de governador, inicialmente por seus meses, foi uma "grande surpresa" e que tomará "medida cabíveis".


"A defesa do governador Wilson Witzel recebe com grande surpresa a decisão de afastamento do cargo, tomada de forma monocrática e com tamanha gravidade. Os advogados aguardam o acesso ao conteúdo da decisão para tomar as medidas cabíveis."

O afastamento foi determinado pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ) por denúncias de irregularidades na Saúde.

Witzel e outros oito investigados, incluindo a primeira-dama Helena Witzel, foram denunciados pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Não há ordem de prisão contra o governador. As diligências foram autorizadas pelo ministro do do STJ Benedito Gonçalves.

 

Pastor Everaldo

O pastor Everaldo, presidente Nacional do PSC, foi preso na operação. O pastor foi candidato à Presidência da República em 2014.

No total, são 17 mandados de prisão, sendo 6 preventivas e 11 temporárias, e 72 de busca e apreensão.

O nome da operação desencadeada é Tris in Idem, uma referência ao fato de se tratar do terceiro governador do estado que se utiliza de esquemas ilícitos semelhantes para obter vantagens indevidas – em referência oculta aos ex-governadores Sérgio Cabral e Luiz Fernando Pezão.

A operação é desdobramento da Operação Favorito e da Operação Placebo -- ambas em maio, e da delação premiada de Edmar Santos, ex-secretário de Saúde.

 

Denúncia

A Procuradoria-Geral da República denunciou Witzel e mais oito pessoas por corrupção sob suspeita de envolvimento em um esquema de desvios de recursos na saúde.

A acusação foi levada em conta pagamentos efetuados por empresas ligadas ao empresário Mário Peixoto ao escritório de advocacia de Helena Witzel, mulher do governador. Também é objeto da denúncia pagamentos feitos por empresa da família de Gothardo Lopes Netto, médico e ex-prefeito de Volta Redonda ao escritório da primeira-dama.

Conforme consta da acusação encaminhada ao STJ, a contratação do escritório de advocacia consistiu em artifício para permitir a transferência indireta de valores de Mário Peixoto e Gothardo Lopes Netto para Wilson Witzel.


Notícias Relacionadas »
Comentários »
WhatsApp
Atendimento
Fale conosco pelo Whatsapp