16/06/2015 às 21h03min - Atualizada em 16/06/2015 às 21h03min

Rejeitada criação de cota para mulheres no Legislativo

O texto previa uma espécie de reserva de vagas para as mulheres nas próximas três legislaturas. Na primeira delas, de 10% do total de cadeiras; na segunda legislatura, o percentual subiria para 12% e, na terceira, para 15%

Congresso em Foco

O Plenário da Câmara dos Deputados rejeitou, nesta terça-feira (16) a emenda apresentada pela bancada feminina à reforma política (PEC 182/07, do Senado) que garantia um percentual de vagas no Legislativo para as mulheres. Foram apenas 293 votos a favor do texto, mas o mínimo necessário é de 308. Houve 101 votos contrários e 53 abstenções.

O texto previa uma espécie de reserva de vagas para as mulheres nas próximas três legislaturas. Na primeira delas, de 10% do total de cadeiras na Câmara dos Deputados, nas assembleias legislativas estaduais, nas câmaras de vereadores e na Câmara Legislativa do Distrito Federal. Na segunda legislatura, o percentual subiria para 12% e, na terceira, para 15%.

Essa alternativa foi apresentada pelas mulheres após pressão das bancadas evangélica, ruralista e da bala. A ideia inicial das mulheres parlamentares era que fosse aprovada uma reserva de 30% das vagas para mulheres no Parlamento.

Segundo integrantes da bancada feminina, o recuo ocorreu após a constatação de que não haveria chance de o plenário aprovar a proposta original. Desde o final de maio, deputados das bancadas da bala, evangélica e ruralista articulavam nos bastidores uma forma de vetar a cota de mulheres no Parlamento. O raciocínio deles é simples: a reserva de vagas para mulheres, na visão dos deputados mais conservadores, atrapalha o jogo político e reduz o número de cadeiras para os homens.


Notícias Relacionadas »
Comentários »
WhatsApp
Atendimento
Fale conosco pelo Whatsapp