02/06/2015 às 11h00min - Atualizada em 02/06/2015 às 11h00min

Entrevista com a prefeita Amanda Quinta Rangel

Por André Jordão

Abrindo a série de entrevistas no Portal Kennedy em Dia, uma conversa com a prefeita de Presidente Kennedy, Amanda Quinta Rangel. Aos 26 anos, jovem e determinada, ela é uma apaixonada confessa por sua cidade natal. Na entrevista, a prefeita fala dos principais desafios e revela que chega aos quase dois anos e meio de gestão confiante de que agora será um tempo de realizações importantes, para fazer de Presidente Kennedy uma cidade ainda mais encantadora e com melhor qualidade de vida.

 Confira a entrevista:

KENNEDY EM DIA – Quem é Amanda Quinta Rangel?

Pergunta difícil de responder, mais fácil para quem me conhece. Posso falar que sou dedicada, sincera e realista. Acho que se eu for falar das principais características são a sinceridade e o senso de realidade, pés no chão. Meu coração é muito sensível em determinadas circunstâncias, mas hoje  consigo controlar melhor esse conflito entre razão e emoção, porque na política a gente tem que trabalhar bem mais com a razão do que com a emoção. O que pode, pode e o que não pode, não pode.

 

KENNEDY EM DIA – Como é governar o município de Presidente Kennedy?

Kennedy é a cidade onde eu nasci e sempre vivi. Governar Kennedy me traz alguns desafios. O desafio de trabalhar com a identidade de cada um, de cada comunidade. Conhecer o perfil da população, trabalhar com as dificuldades e mostrar o potencial dela nas áreas econômica, turística, cultural. É um desafio. A política tem que ser renovada a cada dia. Eu tenho 26 anos e minha visão política é considerada diferente para muitas pessoas. Essa nova visão para alguns é nova, é muito positiva, e já outros ainda não conseguem se identificar porque toda inovação traz medo da mudança. Então mostrar para a população que a mudança é para melhor é também meu desafio e objetivo hoje.

 

KENNEDY EM DIA – Hoje a senhora se sente mais preparada do que há dois anos?

Sem dúvidas. Por mais que eu tivesse uma base familiar em relação à educação, respeito ao próximo e tudo mais, no inicio foi muito difícil, como disse, no primeiro ano tive que trabalhar muito com a emoção e a razão. Tive que aprender a dizer não a tudo que eu achava que não iria corresponder ao correto, e isso me causou e me causa até hoje muitas indisposições, mas tive que defender um município e eu não posso só pensar em mim. Não posso simplesmente me preocupar em defender a Amanda para não me indispor com terceiros. Tenho que defender Presidente Kennedy. Na administração, com o tempo fomos nos aproximando dos órgãos estaduais, para conseguir mostrar que a nova gestão veio de uma maneira diferente, que veio realmente para defender os interesses dos cidadãos kennedenses.

 

KENNEDY EM DIA - Qual o balanço que a senhora faz da sua gestão até o momento?

Conseguir dar o retorno para a população do que foi solicitado nas audiências públicas é uma grande satisfação. É claro que temos ainda obras estruturantes que pretendemos em breve colocar na rua, mas me sinto satisfeita com as conquistas nesses mais de dois anos de gestão. Também pelo momento de estabilidade, pela relação com os órgãos públicos e de conseguir mostrar trabalho para a população. Não só com relação às obras, mas também com o funcionalismo público e com o cidadão que recebe serviço de qualidade. Porque uma coisa é você dar o remédio, outra coisa é você explicar porque e como ele deve tomar o remédio, ou seja, fazer o cidadão entender que benefícios são provisórios e a independência vem com conhecimento e qualificação profissional. O balanço é positivo pela importância que Presidente Kennedy representa para o Estado. Conseguimos dar grandes passos em um tempo curto. Nós colhemos bons frutos diante das dificuldades que o município passou.

KENNEDY EM DIA – Hoje, quais são as prioridades para a gestão?

Trabalhar a autoestima da população, mostrar para as pessoas o potencial que cada um tem. Todas essas obras e esses programas que a prefeitura vem elaborando, são de curto, médio e longo prazo. Não são programas e não são obras que são colocadas para um benefício provisório e sim para um benefício futuro. Minha preocupação hoje é o cidadão kennedense que não pensa na alfabetização e capacitação, seja no ensino fundamental, médio ou superior. As crianças não me preocupam porque estão inseridas na escola, o que me preocupa é o adulto que acha que não pode ter sua mão de obra  aproveitada dentro do município, ou que não tenha capacidade de ir além para conseguir acompanhar o desenvolvimento. Então a minha prioridade hoje é preparar esse cidadão para todo o desenvolvimento que Presidente Kennedy tem a oferecer. Investir no ser humano, investir no cidadão, essa é nossa prioridade. 

 

KENNEDY EM DIA – Em discurso, a senhora pontuou que as três principais obras estruturantes que pretende fazer são: Avenida Orestes Baiense, galeria pluvial na sede e a urbanização e paisagismo das orlas de Marobá e Neves. A que par estão estes projetos?

A Orestes Baiense está com licitação marcada para o próximo dia nove, o processo licitatório deve ser finalizado entre 30 e 45 dias. Pretendo no máximo até a segunda quinzena de julho dar ordem de serviço para a pavimentação dessa importante avenida. 

A galeria já está em fase final de licitação, que é a fase de habilitação. A primeira parte licitamos do antigo fórum até a creche municipal, a segunda parte vamos colocar em breve também em licitação, essa será da creche até a saída da cidade sentido estado do Rio de Janeiro. 

Quanto às orlas, o projeto de urbanização da Praia das Neves já começou a ser executado, está em fase de desenvolvimento do projeto arquitetônico e precisamos da participação da comunidade local para decidirmos sobre as características. Se devemos manter os padrões atuais ou optarmos por um mais moderno. Lá é uma região de muitos veranistas, então temos várias opiniões e vamos conciliar isso. 

Sobre a Orla de Marobá nós já fizemos a revisão, conseguimos identificar algumas falhas no projeto anterior. Exemplo: vegetação e materiais de quiosques que não suportariam a maresia, os ventos e o sol. Finalizamos o projeto e já demos entrada no SPU (Secretaria de Patrimônio da União). Estamos aguardando o SPU liberar o projeto para darmos entrada no IEMA (Instituto Estadual de Meio Ambiente), IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e na Marinha. Se os prazos desses órgãos forem cumpridos, acredito que no próximo ano essa obra já esteja sendo iniciada.

 

KENNEDY EM DIA – Uma demanda que foi motivo de TAC (Termo de Ajuste de Conduta) junto os Ministério Público Estadual, foi a contratação de pessoal através de concurso público. Existe alguma previsão e em quais áreas haveria o concurso?

Foi assinado um TAC e o nosso compromisso era, de acordo com o aumento da arrecadação fixa do município, que realizaríamos concurso público. Primeiro educação, segundo saúde e terceiro assistência social. E novos servidores efetivos irão diretamente para a folha de pagamento que é paga com recursos próprios. No entanto, não adianta fazer concurso público se não pudermos cumprir com  o pagamento. É o que vamos discutir na próxima agenda com o Ministério Público. O que posso adiantar é que o concurso público para os profissionais da educação, no caso para professores, irá ocorrer no final deste ano e a chamada acontecerá no início do ano que vem. As outras áreas acontecerão a medida que os recursos próprios forem crescendo. Para os atuais servidores nós estamos investindo no Instituto de Previdência própria, reajuste aos servidores que foi feito no ano passado e plano de carreira, que vai favorecer muito os servidores de carreira da prefeitura. Estes projetos devem enviados até o final do ano a Câmara Municipal. 

 

KENNEDY EM DIA – Caso ocorra alguma mudança na legislação dos royalties do petróleo, Presidente Kennedy teria algum planejamento para garantir o futuro?

Todos os nossos investimentos até hoje, estamos usando recursos da aplicação de um fundo que criamos em bancos públicos durante a nossa gestão. Os recursos dos royalties que recebemos todos os meses estão intactos. Esse dinheiro está guardado na conta. Todas essas obras estruturantes são de dinheiro proveniente do rendimento deste fundo. Saneamento, calçamento, asfalto e tudo mais. O trabalho dos anos posteriores será apenas para a manutenção do serviço e a capacitação dos munícipes. Nosso trabalho é investir em projetos, em obras, que irão garantir o futuro do cidadão.

 

KENNEDY EM DIA – Uma demanda comum da sociedade é que Presidente Kennedy tenha uma gestão de saúde de ponta, já que possuí muitos recursos financeiros. Como à senhora pretende fazer do município um modelo de gestão em saúde?

Nós investimos até agora R$ 35 milhões, mas identificamos que a deficiência no sistema não era recurso financeiro e, sim, na gestão. Não tem nem 30 dias que o Deivis (novo secretário municipal de saúde) está conosco e nós já percebemos mudanças significativas no quadro de servidores, com uma política de valorização do servidor que começa no novo organograma e segue com a criação de um novo ambiente de trabalho em equipe, capacitação profissional e organização dos processos.

Estou muito confiante na equipe da saúde. Sei que há muito a fazer e vamos fazer. Uma das principais metas da gestão agora é acabar com filas de espera de cirurgias e exames, entregar medicamento em casa, dar assistência ao paciente por telefone, inaugurar a Clínica de Especialidades Médicas, entre outras. Soluções muito simples que no particular funciona muito bem e que para nós da área pública era considerado algo impossível de ser alcançado. Na nova gestão o custo é muito baixo em relação ao benefício. Serão soluções simples que irão mudar a vida das pessoas e melhorar a gestão da saúde.

 

KENNEDY EM DIA – Sabemos que a falta de moradia é um problema comum em muitas cidades do país. Como a senhora pretende zerar esse déficit habitacional?

Temos um déficit de 350 inscrições. Das inscrições confirmadas vamos construir 220 casas populares, ou seja, já se resolve uma grande parte. E as demais nós vamos licitar até o final do ano para zerar esse déficit. Mas também temos uma questão: um dos critérios para receber uma casa popular é morar no município há mais de cinco anos. Muitos já estão prestes a completar esse tempo de moradia aqui e estarão aptas a se inscreverem. Então ou a gente terá que criar uma política pública de habitação popular, a exemplo do “Minha Casa, Minha Vida”, para que esse público que deve vir junto com o desenvolvimento possa ter condições de financiar suas moradias ou nós não conseguiremos zerar esse déficit daqui a dez anos. Nós vamos zerar? Sim, nós vamos zerar esse déficit atual, mas sabendo que o déficit será menor no futuro, mas vai continuar existindo.

 

KENNEDY EM DIA - No plano econômico, como a senhora vê o futuro do município?

É o que eu falo em todos os meus discursos: temos que investir em capacitação. Não adianta construir obras grandiosas se a população não gerir os investimentos. O planejamento de futuro que tenho é trabalhar as potencialidades de cada localidade, mas antes disso temos que trabalhar o ser humano. Até o final do ano que vem pretendemos implantar em cada localidade um projeto de agroindústria local. A população de Kennedy vai gerir os possíveis projetos da agroindústria que vamos implementar, mas para isso precisa se capacitar e qualificar.

 

KENNEDY EM DIA – O município viveu tempos terríveis de seca. Muitos agricultores tiveram amargos prejuízos pelo grande período de estiagem. O que a prefeitura tem feito para tentar amenizar essa situação?

O programa Olho D’água envolveu sete secretarias municipais e com ele vamos preservar nossas nascentes para o futuro. Vamos fazer a plantação e mudas de árvores nativas e o cercamento dos locais. Além disso, estamos construindo curvas de nível, caixas seca, poços artesianos, mini-estações de tratamento de esgoto para preservar os córregos, estamos distribuindo cana-de-açúcar, ração, hora máquina de tratores, silagem, e vamos melhorar a energia elétrica rural que hoje não é suficiente. Vamos colocar Presidente Kennedy no topo da agricultura, e para isso vamos investir muito mais.

 

KENNEDY EM DIA – Qual é a relação do executivo com o legislativo no âmbito municipal?

A relação com o legislativo é muito boa. Os vereadores se colocaram a disposição do município, mas não digo em relação ao executivo, digo em relação a população. Quando surge alguma dúvida a gente conversa, quando é um projeto de lei mais complexo, faço questão de convocar os vereadores para estarem participando, conversando e tirando as dúvidas. Essa interligação sempre foi muito positiva.

 

KENNEDY EM DIA - Então, qual o último recado a senhora daria para os nossos leitores?

Quero dizer a população de Presidente Kennedy que a administração está trabalhando e investindo para que todos tenham oportunidades iguais no presente e no futuro, deixando para trás todo passado negativo e olhando sempre para frente. Porém, precisamos acreditar que podemos realizar, para isso aproveitem as oportunidades nas áreas da educação, seja Bolsas de Estudos, cursos de capacitação profissional e outros projetos. Ninguém tira de nós o conhecimento e a experiência profissional, que nos diferencia no mercado de trabalho. Estou à disposição da população para qualquer esclarecimento. A partir de julho estaremos novamente nas comunidades com as audiências públicas, prestando contas do que foi realizado e mostrando o que está vindo por aí.

Sozinho a gente não faz nada. Se cada um fizer a sua parte, não pensando somente em si mesmo, mas pensando no coletivo, conseguiremos ir muito mais longe. Sou realizada por poder fazer a diferença na vida das pessoas. Não precisa ser prefeito ou vereador para fazer a diferença. Basta pensar no próximo, querer o bem de todos e trabalhar com dedicação e amor.


Notícias Relacionadas »
Comentários »
WhatsApp
Atendimento
Fale conosco pelo Whatsapp