15/06/2021 às 16h13min - Atualizada em 15/06/2021 às 17h20min

Seminário Internacional reúne autoridades brasileiras e internacionais para debater os desafios da Ciência na produção de alimentos

Programação do Seminário segue hoje e amanhã (16/05), de forma online

DINO

Na manhã de hoje, 15/06, o Instituto Fórum do Futuro promoveu a abertura do "Seminário Internacional Os Desafios da Ciência em Novo Pacto Global do Alimento", no âmbito do projeto Biomas Tropicais. O evento reúne até amanhã autoridades brasileiras e internacionais em ciências relacionadas à Bioeconomia Tropical.

Durante a abertura, o Presidente do Instituto Fórum do Futuro e ex-ministro da Agricultura, Alysson Paolinelli, ressaltou que as próximas décadas serão possivelmente as mais desafiadoras da História, com o número de famintos crescendo e a população caminhando para alcançar a marca de 10 bilhões de pessoas em 2050.

"Nesse contexto, apresentaremos durante o Seminário uma rede de Ciência colaborativa revigorada, com institutos de pesquisa e universidades brasileiras e internacionais, além das participações do Banco Mundial, da FAO e do Banco da África, para mostrar que é possível mais que dobrar a produção de alimentos no Brasil, até 2050, sem produzir novos desmatamentos. E que a Amazônia pode se transformar no maior celeiro global de produtos naturais sem que seja necessário derrubar uma única árvore", destacou Paolinelli.

Para Evaldo Vilela, Presidente do CNPq e coordenador Científico Fórum do Futuro, projetos de desenvolvimento científico e tecnológico devem ser centrados em desafios ou problemas reais atuais ou futuros, locais ou globais, com alcance para a humanidade, e que requerem conhecimentos, novos ou aplicados, teóricos ou experimentais de sólida base científica.

"Ampliaremos esse debate na comunidade acadêmica e empresarial, junto aos atores envolvidos com a viabilização das potencialidades da Bioeconomia. Importante ainda a participação de atores de governos na promoção desses debates, sempre com o intuito de trabalhar as potencialidades das transformações no sentido pleno do desenvolvimento sustentável, com avanços econômicos, sociais e ambientais", salientou Vilela.

"Ninguém tem dúvida de que o Brasil já é uma potência agroambiental. Agora precisamos saber como podemos potencializar tudo isso para os próximos 30 anos. Que possamos, neste seminário, trazer novos conhecimentos, novas ideias para todos que estão participando", comentou a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias.

Apoio internacional

O Presidente do Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (ICAA), Manuel Otero, acredita que a América Latina tem tudo para garantir a segurança alimentar e também da sustentabilidade ambiental do planeta. Mas, para alcançar esse objetivo, ele comenta que é preciso colocar em prática uma agricultura intensiva em conhecimentos, aproveitando todas as vantagens oferecidas.

"Nosso continente conta com 50% da biodiversidade conhecida, evidentemente temos que fazer um aproveitamento racional desses recursos. Ao mesmo tempo temos que reduzir as perdas e valorizar todos os resíduos e detritos na América Latina e no Caribe. Há um desperdício muito grande de quase 130 milhões de toneladas de alimentos por ano".

O economista-chefe do Banco Mundial para Agricultura na África, Diego Arias, comenta que a instituição tem como objetivo apoiar a transformação do setor alimentar, não só aumentando a competitividade do setor mas também para que haja um impacto positivo para o planeta, o meio ambiente e a saúde humana.

Ele explica ainda que o conhecimento é a chave para poder criar essa nova economia e a base dessa transformação está nas economias tropicais. "O tema tratado neste seminário é muito relevante para o contexto que o mundo está passando, não somente com a pandemia, mas com as mudanças climáticas e as problemáticas da nutrição, que estão ligadas à produção de alimentos", detalha Arias.

"Hoje eu trabalho com a África e ali há países que podem se beneficiar muito dessa experiência e conhecimento que já existe. Estamos falando não só de geração, mas também de transferência desse conhecimento do desenvolvimento de uma economia tropical sustentável", finaliza.
 
Projeto Biomas Tropicais

O Projeto Biomas Tropicais é coordenado pelo Instituto Fórum do Futuro, presidido pelo Professor Alysson Paolinelli, e conta no seu núcleo central com a parceria de instituições como o CNPq, a Embrapa, a Universidade de São Paulo (ESALQ), as Universidades Federais de Lavras e Viçosa, o Centro de Gestão de Estudos estratégicos, o SEBRAE e a FGV-Agro, além de inúmeras instituições regionais em cada um dos biomas estudados. A experiência deve desenvolver alternativas para a integração da ciência, energia, natureza e alimentos, criando uma sinergia entre essas áreas e dando grande ênfase a ações sustentáveis.

A concepção do Projeto Biomas começou há oito anos e a implantação teve início em meados de 2019, no Polo Demonstrativo dos Cerrados, em Rio Verde (GO). Agora estão sendo iniciados os trabalhos na Amazônia e na Caatinga.

Serviço

"Seminário Internacional

Data: 15 e 16 de junho

Acesso pelo link: https://www.educadoragil-evento.com.br

Notícias Relacionadas »
Comentários »
WhatsApp
Atendimento
Fale conosco pelo Whatsapp