18/09/2015 às 13h16min - Atualizada em 18/09/2015 às 13h16min

17 casos suspeitos de dengue só neste ano em Presidente Kennedy

Por André Jordão - com informações Coordenadoria de Comunicação PMPK

Mesmo no inverno, os dias de sol alternados com os de chuva e combinados com a falta de cuidado são um prato cheio para o Aedes aegypti, mosquito trasmissor da dengue.

Não é por acaso que o município de Presidente Kennedy contabilizou de janeiro a agosto deste ano 17 casos suspeitos de dengue, com resultados que apontaram 10 casos negativos, 03 positivos e 04 ainda aguardam resultados.

A Prefeitura de Presidente Kennedy informou que está com uma equipe da Secretaria de Saúde visitando todas as casas da sede do município para inspecionar quintais e terrenos, orientar e tratar possíveis focos de proliferação do mosquito da dengue. Está sendo feita a borrifação com inseticida num raio de 300 metros ao redor dos locais onde foram detectados os casos da doença. Também está sendo feito trabalho diário de investigação epidemiológica dos casos.

Além disso, moradores que tiverem as caixas d´água descobertas podem solicitar gratuitamente essa tela no setor da Vigilância Ambiental, localizado no prédio da Rodoviária, 1° andar, no centro. O objetivo é fazer um trabalho de prevenção e combate aos prováveis focos de dengue, para orientar aos moradores, mais uma vez, sobre as formas de se livrar dos males provocados pela doença.

Vale destacar que dos casos suspeitos e confirmados, 04 são Autóctones (quando a doença é contraída dentro do município) e 13 suspeitos de dengue importada (casos que foram contraídos fora do município). É necessário que os moradores mantenham quintais e terrenos limpos e cubram suas caixas d´água, para que consigamos a erradicação da doença

Conheça

Diagnóstico precoce

É essencial fazer tanto um diagnóstico clínico – que avalia os sintomas – como o exame laboratorial de sorologia, que verifica a contagem de hematócritos e plaquetas no sangue. A contagem de hematócritos acima do normal e de plaquetas abaixo de 50 mil por milímetro cúbico de sangue pode ser um indício de dengue.

O exame de sangue, por si só, não determina se o paciente está com dengue ou não. É preciso diagnosticar também os sintomas. Esses dois fatores vão determinar as condições do paciente.
 

Período crítico
O período crítico da doença é quando a febre do paciente diminui. Se a febre passar e o paciente tiver muita dor na barriga, ele está num estado grave mesmo sem sangramento. Esse poder ser um problema no atendimento primário nos hospitais porque geralmente as pessoas com febre são atendidas prioritariamente.

Ao passar a febre, a pessoa pensa que está curada, mas pode apresentar queda brusca de pressão, mal-estar e manchas vermelhas pelo corpo. O número de plaquetas no sangue ainda continua baixo e, por isso, é preciso continuar o tratamento.

O monitoramento clínico e laboratorial tem de ser constante, principalmente 72 horas após o período de febre. A complicação maior acontece no quinto dia da doença. O paciente tem de fazer pelo menos três exames de sangue, no início da dengue, depois da febre e uma terceira vez para ver se as plaquetas já voltaram ao normal.
 

Tratamento
A hidratação do paciente é parte importante do tratamento, pois a dengue é uma doença que faz a pessoa perder muito líquido. Por isso, é preciso beber muita água, suco, água de coco ou isotônicos. Bebidas alcoólicas, diuréticas ou gaseificadas, como refrigerantes, devem ser evitadas.

Não existe um medicamento específico para a doença. A medicação serve basicamente para aliviar as dores.

 

Veja o infográfico


Notícias Relacionadas »
Comentários »
WhatsApp
Atendimento
Fale conosco pelo Whatsapp