13/08/2015 às 12h57min - Atualizada em 13/08/2015 às 12h57min

Peroás retornam aos mercados com preço e tamanho menores

Tradicional peixe no Espírito Santo está sendo vendido a R$10,00. Mas o tamanho é menor que 20 centímetros.

Gazeta Online

O peixe peroá voltou a aparecer nas bancas e peixarias de Vitória, capital do estado. Consumidores têm encontrado o alimento em vários mercados, mas com tamanho e preço bem menores que o comum.
"Uma vez tentei comprar peroá, mas não consegui. É lógico que o capixaba gosta da peroá frita, e antes não existia. O que tinha no mercado era muito caro", contou o aposentado Olavio Pratinha.
De acordo com especialistas, essa espécie de peixe sumiu da baía de Vitória por diversos motivos. O ambientalista Lupércio Barbosa, explicou algum deles.
"Um dos fatores que não se discute é a sobrepesca, ou seja, é a capacidade de retirar da natureza, aquilo que ela pode compensar. Outros motivos poderiam estar relacionados, por exemplo, a escassez de alimentos, a atividades humanas, poluição de mangual", disse.
Para quem vive da pesca, o peroá é muito importante, isso porque ele é um dos peixes mais procurados pelos capixabas. "Eles já acostumaram com Peroá. Nas barracas, se não tiver, ninguém para" falou pescador Zé Boião.
Atualmente, o preço do peroá caiu junto com o tamanho. No mercado da Vila Rubim, em Vitória, por exemplo, o peixe está sendo vendido a R$10.
"A pescaria deu bastante peroá pequena, então ela teve preço baixo devido a produção. Com isso, a procura tem sido grande, porque as vendas do peroá estão sendo mais baratas", disse o vendedor, Mario Almeira.
De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, o Peroá só deve ser pescado com no mínimo 20 centímetros, mas os que estão sendo vendidos são bem menores. Mesmo assim o capixaba não deixa de comprar o peixe.
"É uma pena, mesmo que a gente goste de comer, seria bom que ele fosse maiorzinho (sic)", disse o aposentado, Dario Rocha.
O Ibama explica que há uma tolerância para os pescadores sobre o tamanho do peixe. 20% do total pescado pode ficar abaixo do tamanho mínimo, de 20 centímetros.
O órgão reforçou que está fiscalizando. Recentemente foi apreendido mais de 300 quilos de peroá pequeno no Sul do estado.
O ambientalista explica que o melhor seria deixar o peixe crescer mais. Caso contrario podemos ter mais um período de escassez de peroá em breve.
"Até março é um período que para eles é reprodutivo, esses animais já vinham sendo capturados. O tamanho dos exemplares eram muito diminutos, menos de 15 centímetros. A partir de setembro ele começa ter um tamanho maior, então agora os que já estão sendo capturados estão com o tamanho maior. Não existe uma lei de defesa para captura do Peroá, em vista da preservação desse animal", explicou Barbosa.


Notícias Relacionadas »
Comentários »
WhatsApp
Atendimento
Fale conosco pelo Whatsapp