11/11/2020 às 10h20min - Atualizada em 11/11/2020 às 11h40min

Plásticos mais sustentáveis ajudam na questão ambiental e na rentabilidade do negócio

Bens de consumo embalados são o maior mercado para os biopolímeros, materiais renováveis, totalmente funcionais, biodegradáveis e compostáveis, desenvolvidos por empresa do Paraná

DINO

Por suas propriedades e características, o plástico produzido à base de derivados do petróleo, que demora mais de 400 anos para se decompor, além de ser um dos vilões da poluição ambiental, é o maior gargalo para as indústrias, mesmo aquelas que adotam as boas práticas de reaproveitar e reciclar resíduos sólidos ou fazem o processo de logística reversa. Substituir esse material por um produto mais sustentável e conferir a ele protagonismo e finalidades que ajudem nas questões da preservação ambiental e na rentabilidade do negócio têm sido foco de pesquisas no mundo todo.

O Brasil é uma potência na agricultura que, além de movimentar bilhões de reais, produz volumes monstruosos de resíduos agroindustriais. Dados do relatório "Solucionar a Poluição Plástica - Transparência e Responsabilização", apresentado na assembleia das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEA-4) em 2019, apontam o país como o quarto maior gerador de lixo plástico do mundo, que recicla apenas 1,2% do plástico consumido nacionalmente.

Solução inovadora

Instalada estrategicamente em Curitiba (PR), referência nacional no trinômio: ecologia, reciclagem e sustentabilidade, a Earth Renewable Technologies (ERT), um hub de pesquisas e soluções verdes, fundada em 2009, nos Estados Unidos, desenvolve compostos de plásticos orgânicos, inicialmente, a partir de amido de milho e de mandioca, resíduos da indústria alimentícia. "O plástico feito à base de biopolímeros são materiais renováveis, totalmente funcionais, biodegradáveis e compostáveis, uma alternativa para as empresas que querem substituir o plástico derivado do petróleo em sua linha de produção", explica Kim Gurtensten Fabri, CEO da ERT.

O CEO garante que a ERT é a única empresa no Brasil a produzir plásticos compostáveis e biodegradáveis a partir de biopolímeros, revelando que a fábrica instalada em Curitiba terá a capacidade de produção de até duas mil toneladas mensais, e já registra uma produção de 60 toneladas. "Desenvolvemos e patenteamos a tecnologia Short Fiber Reinforced Polymer (SFRP), que é capaz de modificar drasticamente a performance de biopolímeros e entregar aplicações antes desconhecidas".

Kim destaca que para o processo de produção dos compostos é usada como base um polímero derivado do ácido láctico (PLA), matéria-prima importada da Tailândia. A ERT utiliza um processo de extrusão em dupla rosca para incorporar suas mais variadas cargas em seus compostos biodegradáveis, e dependendo da aplicação final do cliente, o produto passa por um processo e formulação especifica. "Porém para que a indústria consiga chegar a elevados níveis de desenvolvimento tecnológico para ir plantando as fundações dos biopolímeros, acreditamos que temos passos intermediários a serem dados, e hoje o PLA de primeira geração se encaixa aqui", ressalta. Em sua opinião é necessário criar uma cultura capaz de absorver ainda mais os conceitos de compostáveis, não apenas conceitualmente, mas também em relação à disposição de preço.

Atualmente, os biopolímeros estão com preços bem mais acessíveis do que há 5 anos. "A ERT inclusive, tropicalizou algumas fórmulas, carregadas com matérias-primas brasileiras (resíduos ou não), para atender o mercado nacional, e hoje somos capazes de flutuar preços competitivos frente a resinas não compostáveis, mas, mesmo assim e, provavelmente, por um bom tempo, existirá esse delta entre os polímeros", esclarece Kim.

De acordo com Kim, o bioplástico pode ser aplicado como, por exemplo, na fabricação de talhares, copos, sacolas plásticas, entre outros. "Nos EUA, a ERT possui um produto que serve à indústria de Cannabis, sendo um polímero biodegradável com resíduo da extração de Canabidiol (CBD). Trata-se de um produto com um discurso de economia circular muito interessante, pois o próprio resíduo do CBD é então pré-tratado pela ERT, e incorporado no composto final", esclarece o CEO.

Mudança de cultura

Kim observa que o Brasil ainda está engatinhando em relação aos compostáveis, mas, sublinha que a maioria da população tem a cultura muito forte em reciclagem e separação do lixo. Ele acredita que esse fator ajudará muito na introdução e aceitação do plástico da ERT pelas empresas e indústrias que terão a possibilidade de substituir suas embalagens tradicionais por outros recipientes plásticos funcionais e biodegradáveis. "Na prática, a solução da ERT permite criar e customizar os mais variados tipos de recipiente, para diversos formatos de indústria, tornando-os efetivamente funcionais".

Segundo Kim, os biopolímeros são parte da solução quando o assunto for utilizar plásticos mais sustentáveis. "Hoje o mundo não comportaria produzir biopolímeros suficientes se todos decidíssemos substituir. É preciso conscientizar a população da origem e do descarte corretos dos materiais. Os reciclados continuam a ser uma ótima opção para a sustentabilidade também; juntamente com o biopolímero passam a ser complementares para a redução do lixo, da emissão de CO2 e de um meio ambiente mais limpo", argumenta.

O CEO da ERT pondera que grandes marcas fora do Brasil estão comprometidas muito seriamente com a sustentabilidade. "Vemos empresas como a Pepsico, Unilever e Bacardi, por exemplo, colocando metas audaciosas para redução e ou substituição de polímeros fósseis em seus produtos. Além do comprometimento das multinacionais, vemos o mercado brasileiro cada vez mais alinhado com o exterior. O público consumidor não tolera mais altos índices de resíduos, poluição de rios e mares e o crescimento de lixões pelo país", contextualiza.

Em sua visão, os brasileiros buscam ativamente por soluções de reciclagem, compostáveis e outras alternativas sustentáveis. "Devemos também incentivar a população a cobrar das marcas um maior comprometimento com suas embalagens, origem e destinação final. Também devem exigir do poder público novas legislações que regulamentem a utilização de materiais plásticos, principalmente na área dos produtos de uso único, como talheres, copos e sacolas plásticas", coloca. Kim acredita que "estes são os primeiros materiais que deveríamos receber apoio dos nossos governos para que sejam banidos. Vemos movimentos como esse por todo o mundo", sublinha.

Notícias Relacionadas »
Comentários »
WhatsApp
Atendimento
Fale conosco pelo Whatsapp