28/01/2015 às 22h06min - Atualizada em 28/01/2015 às 22h06min

O corpo humano, uma obra de arte

Por Hernandes Dias Lopes

O livro de Jó faz uma das declarações mais fantásticas acerca da origem do homem. Eis o que está escrito: “O Espírito de Deus me fez, e o sopro do Todo-poderoso me dá vida” (Jó 33.4). O nosso corpo tem dois componentes bem distintos: Fomos feitos do barro e recebemos vida pelo sopro de Deus . Assim, somos corpo e alma. Nosso corpo, feito pelo Espírito de Deus, é uma máquina supermoderna. A mais sofisticada tecnologia jamais concebeu algo tão extraordinário. A mente mais brilhante jamais criou algo tão sublime. Somos um prodígio do Criador. O homem não é singular apenas pela beleza inefável de seu corpo, mas, também, e sobretudo, pela sua semelhança com o Criador. Essa semelhança não é física, pois Deus é espírito. Essa semelhança é moral e espiritual. Temos consciência e relacionamo-nos com Deus, o Criador. Podemos amá-lo e glorificá-lo. Podemos buscá-lo em oração e devotarmo-nos a ele em sincera e profunda consagração.

Marshall Nirenberg, prêmio Nobel de biologia, descobriu que nosso corpo tem cerca de sessenta trilhões de células vivas e em cada uma há um metro e setenta centímetros de fita DNA, onde estão gravados e computadorizados todos os nossos dados genéticos, como a cor da nossa pela, a cor dos nossos olhos e o nosso temperamento. John Wilson, famoso oftalmólogo, disse que temos em torno de dois milhões de fios duplos encapados em cada um de nossos olhos. Se não fora assim, haveria um curto-circuito e ficaríamos cegos. Se nós pudéssemos esticar a fita DNA do nosso corpo, teríamos cento e dois trilhões de metros, cento e dois bilhões de quilômetros. Isso daria para dar várias voltas no sistema planetário. Nós somos um ser programado e computadorizado geneticamente. Falar que somos resultado de uma geração espontânea ou obra do acaso contraria essa realidade inexorável.

O rei Davi disse que Deus fez o nosso corpo de forma assombrosamente maravilhosa, entretecendo-nos no ventre de nossa mãe. Ele viu quando éramos apenas uma substância informe. É meridianamente claro que não somos produto de uma evolução de milhões e milhões de anos. A chamada teoria da evolução não possui a evidência das provas. O próprio livro Origem das Espécies de Charles Darwin, publicado em 1859, em Londres, possui nada menos que oitocentos verbos no futuro do subjuntivo: “Suponhamos”. O Criacionismo não é uma vertente religiosa, como muitos querem. É estritamente científico. Que o universo foi criado, a ciência prova. Que o homem foi criado, a ciência confirma. O que é matéria de fé é que nós cremos que Deus é o criador do universo. Afirmamos, portanto, com inabalável convicção, que não viemos de uma ameba nem somos parentes dos símios. Viemos das mãos do divino artífice. Somos uma obra de arte do Criador. Somos criados à sua imagem e semelhança. As digitais do Todo-poderoso podem ser encontradas em nós.

Muito embora o homem tenha sido criado perfeito, o pecado deformou sua beleza moral. A imagem de Deus estampada em nós na criação, tornou-se a imagem de Deus deformada na queda. Porém, em Cristo, somos a imagem de Deus restaurada. Agora, somos feitura de Deus, criados em Cristo Jesus, para as boas obras. Somos o poema de Deus, a poesia mais bela do Criador. Nossa vida deve resplandecer a beleza de Cristo. A face do Filho refletida em nós, pelo poder do Espírito Santo, deve resplandecer a glória do Pai. Somos uma obra de arte na criação e uma obra da graça na redenção. Fomos feitos perfeitos na criação e declarados perfeitos na redenção. O homem por inteiro, corpo e alma, procede de Deus e só encontra sentido na existência quando se volta para Deus.

Link
Tags »
Relacionadas »
Comentários »